sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Serenidade

Antes achava que para ser feliz tinha que ter uma vida mais simples, mais ou menos como nos livros que tanto gosto do Nicholas Sparks, em que me parece sempre que algumas personagens já estão mais ou menos conformadas e felizes com as vidas que têm. Achei que era isso que devia procurar – a simplicidade. E para a conseguir tinha de encontrar as coisas simples, encontrar o emprego perfeito, mudar de vida, enfim...mudar as coisas.

Actualmente cada vez menos penso que seja esse o caminho a seguir, pelo menos não da forma como pensava nele. Não se trata tanto de pensar em encontrar o emprego perfeito, os amigos certos e o amor tal e qual como o imaginamos, mas sim a forma como pensamos as coisas e gerimos as nossas expectativas.

Por exemplo, neste momento penso que nenhum emprego é perfeito mas este, de entre todos, adapta-se a mim. Há dias em que me irrito imenso e as pessoas parecem mais implicativas, mas agora conto com esses dias! Respiro fundo e deixo as coisas acalmarem. No fim tento fazer um balanço da maioria dos dias e a na sua maioria corre tudo bem, embora ainda existam alguns, excepcionalmente, muito muito maus…

Nas pessoas deixei de esperar que me decepcionassem ou que me ligassem de volta. Embora ainda seja incrivelmente insegura, agora ligo eu, mando mensagens, faço elogios e tento concentrar-me nas coisas boas. Afinal todos temos defeitos. Continuo a ter algum medo que descubram os meus e deixem de ser meus amigos, mas já não deixo que esse medo me afecte e se me apetece ligar a alguém ligo.

Agora sim, acho que cada vez vou sendo mais feliz e começo a dar o devido valor a tudo o que me rodeia.

Bjs

2 comentários:

mari disse...

acho que decobriste o "segredo" ;)

Charlotte disse...

A felicidade é inversamente proporcional às expectativas que fazemos de tudo...