quinta-feira, 14 de julho de 2011

Bem mais calma...

Eu sempre fui pessimista por natureza e triste, andava sempre triste. A certa altura deixei-me ir… vivia os dias como se não existisse nada capaz de me tirar da apatia em que me encontrava. Fazia o que tinha a fazer como se fosse um sacrifício necessário antes de poder voltar para a cama e ficava muito ansiosa e a tremer quando acontecia algo fora do normal.

Depois, e em primeiro lugar, arranjei um novo emprego. Sei que não existem empregos perfeitos, nem eu vinha com essa expectativa, mas este adequou-se aquilo que eu pretendo agora – uma vida mais calma e com tempo para a poder viver. Já não me chegava um bom ordenado, levantar de manhã, deitar à noite e tratar da roupa e das compras ao fim de semana!

Posteriormente, quando já trabalhava há uns mesitos e já conhecia a rotina, inscrevi-me no ginásio. Comecei a ir às aulas de Body Balance e a aprender a concentrar-me apenas na minha respiração e/ou na música. Foi a primeira, e mais importante, lição que retirei das aulas. Não foi logo na primeira aula, mas lá para a terceira ou quarta comecei a encarar a vida de outra forma. Não digo que fosse logo mais feliz, mas pelo menos aprendi a desligar sem me sentir culpada. Lembro-me de ir pela marginal a ouvir uma música calminha e desligar… quer dizer, não totalmente, mas o trânsito estava parado e eu concentrei-me apenas na música e tentei afastar o resto dos pensamentos. Quando cheguei a Caxias e voltei a parar no trânsito, resolvi aproveitar só a paisagem: do lado direito estava uma casa amarela linda com pedra nas laterais e do lado esquerdo um farol, seguido da ponte 25 de Abril e do Cristo Rei. Nesse dia cheguei mais calminha ao emprego e, desde aí, fui acalmando progressivamente.

Eu lembro-me que fui para o ginásio especificamente para ir às aulas de Body Balance por causa do equilíbrio, da concentração e da parte da meditação. Não sei se o equilíbrio já está bom, mas pelo menos a concentração tenho notado que está a melhorar. Já não me desequilibro tanto a fazer os exercícios porque me concentro apenas num ponto e em fazer o máximo que consigo, antes de começar a coxear de um lado para o outro.

Neste momento sinto-me extremamente grata, entre outras coisas, pela professora que me calhou dar as aulas. Já tive aulas com mais quatro professoras, todas diferentes, mas que em nada se assemelham com a sua forma de dar as aulas. Eu saio de lá bem mais calminha e na parte da meditação consigo abstrair-me de tudo. Sabe tão bem não pensar em mais nada que não “inspirar e expirar” sem me sentir minimamente culpada. Desligo completamente e aqueles minutos de descanso do cérebro sabem-me pela vida;)

Bjs

1 comentário:

Manuela disse...

Querida Mag, gostei muito deste teu post positivo. Fico feliz por ti, por teres aprendido a controlar a tua vida e a descansar o teu cérebro. Parabéns :)